Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Mundo Não São Só Dois Países

Numa viagem de comboio, dois jovens amigos com a poesia na alma, conversam: - Não sentes que há um determinado momento em que tens mesmo que escrever? - Sim, sinto que se não escrever nesse momento, não voltarei a escrever!

O Mundo Não São Só Dois Países

Numa viagem de comboio, dois jovens amigos com a poesia na alma, conversam: - Não sentes que há um determinado momento em que tens mesmo que escrever? - Sim, sinto que se não escrever nesse momento, não voltarei a escrever!

Ir é o Verbo

2017-08-11 18.21.42.jpg

 

 

 

 

Ir é o Verbo

Sempre acreditei que o melhor, o mais interessante, o mais eloquente verbo de toda e qualquer língua era o verbo "Ir". Ir aqui, ir ali, ir acolá e ir mais além; ir e vir, para voltar a ir. Trata-se de um verbo que, quando é pleno, traduz a melhor das acções; uma acção que envolve, no entanto, algum sacrifício, um certo esforço e que, como tantas outras acções, me atrai de corpo e alma para Pessoa: "Na véspera de não partir nunca / Ao menos não há que arrumar malas...".

Sem os momentos de ansiedade que antecedem a partida, contudo, que seria da expectativa, da azáfama, dos votos de 'boa viagem' e, mais tarde, que seria da alegria, do encanto e do espanto da chegada ao 'outro lugar'? Nada! Nada aconteceria... E tanto acontece quando nos atrevemos a... Ir!

Quando era criança acreditava, na inocência genuína que caracteriza as crianças, que existiam dois países: o meu próprio país e o 'estrangeiro', porque era assim que ouvia as pessoas referirem tudo o que ficava para lá da fronteira. Depois, aprendi que existia um verbo e existia uma vontade que podiam levar-me para lá dessa fronteira, de todas as fronteiras, e que o que aí havia era o mundo. E, ai!, que vontade que eu tinha, que sempre tive, de conhecê-lo, de conhecer no que têm de mais pitoresco os lugares e as gentes que habitam esse vasto mundo! Que vontade que eu tinha, como ainda tenho, de correr mundo, como quem abre um livro que, de outra forma, apenas teria páginas em branco!

Hoje, pés assentes na terra que quero calcorrear, sei que não conseguirei dar a volta ao mundo, afinal, os países não eram apenas dois e os sonhos são muitos. Por aqui ando, a tentar cumpri-los, pelo que não poderei dar a volta ao mundo... Escolhi, então, andar à volta do mundo.